Juiz precisa ter consciência de que erra - Rio Brilhante News - Notícias de Rio Brilhante MS e Região

22º min
32º max

  • Coberturas31


Rio Brilhante - MS, quinta-feira, 19 de julho de 2018

Juiz precisa ter consciência de que erra

Publicado em: 29/06/2018 às 06h58

Conjur

O juiz deve ter consciência de que erra, diz o desembargador Ricardo Dip, do Tribunal de Justiça de São Paulo. A busca pela verdade é o que deve conduzir a análise de um processo, mas ao juiz restam apenas os vestígios e testemunhos. Como saciar essa necessidade, no terreno instável da pós-modernidade? O que se espera quando a linguagem jurídica passa a ser performativa?

Em entrevista à revista eletrônica Consultor Jurídico, Dip aborda os dilemas da Justiça frente aos tempos e a questão da segurança jurídica, tema do qual tratou em diversos de seus trabalhos. Toda a sociedade precisa recuperar a ideia de verdade. Porque toda essa base metafísica em que se apoia o conceito de verdade vai dar apoio também para as ações morais. Se nós recuperarmos a ideia de verdade, com elas recuperamos a de bem e, portanto, podemos e sabemos o que exigir do comportamento moral, defende.

Ricardo Henry Marques Dip é paulistano, tem 63 anos, 35 dos quais dedicados à na magistratura. Lecionou nas faculdades de Direito da Universidade Católica de São Paulo, de São Bernardo, e na pós-graduação da Pontifícia Universidade Católica de Buenos Aires, como professor convidado. É membro fundador do Instituto Jurídico Interdisciplinar da Faculdade de Direito da Universidade do Porto, acadêmico de honra da Real de Jurisprudencia y Legislación de Madri, diretor da Seção de Estudos de Direito Natural do Consejo de Estudios Hispánicos Felipe II, de Madri, e membro do Conselho de Redação de Fuego y Raya, revista hispanoamericana de história e política.

Formado também em Jornalismo, atuou na área e foi professor da Faculdade Cásper Líbero. Supervisiona a biblioteca do TJ-SP, e está preparando uma edição comemorativa para os 150 anos do tribunal, em 2024.

É autor de Trilogia do Camponês de Andorra (2003), Direito Penal: Linguagem e Crise (2000) e Crime e Castigo: Reflexões Politicamente Incorretas (2004), em colaboração com Volney Corrêa Leite de Moraes Júnior.




  • Objetivo32
  • Colégio Objetivo4