STJ julga dia 17 denúncia contra Reinaldo que apareceu no Fantástico - Rio Brilhante News - Notícias de Rio Brilhante MS e Região

22º min
32º max

  • Coberturas31


Rio Brilhante - MS, terça-feira, 11 de dezembro de 2018

STJ julga dia 17 denúncia contra Reinaldo que apareceu no Fantástico

Publicado em: 26/09/2018 às 16h27

O Jacaré

O Superior Tribunal de Justiça marcou a data para julgar o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) no escândalo de corrupção denunciado pelo Fantástico, da TV Globo. O inquérito 1.198, relatado pela ministra Maria Thereza de Assis Moura, foi incluído na pauta de julgamento da Corte Especial do dia 17 de outubro deste ano.

Conforme a denúncia, veiculada em 28 de maio do ano passado, o empresário José Alberto Miri Berger, da Braz Peli, pagou R$ 500 mil para manter os incentivos fiscais. No entanto, ao ser pressionado para pagar um valor mensal, ele decidiu gravar a entrega da suposta propina ao intermediário do então chefe da Casa Civil, o corretor de gado José Ricardo Guitti Guímaro, o Polaco.

Outros dois empresários confirmaram a denúncia, de que só conseguiam manter os benefícios fiscais mediante o pagamento de propina.

O programa global veiculou vídeo gravado por Berger, no qual ele pagava R$ 30 mil em espécie para Polaco.

Dois meses antes, boatos da existência de vídeo com teor semelhante foi a causa da demissão de Sérgio de Paula, atual coordenador da campanha pela reeleição de Reinaldo. Na época, o governador aproveitou a reforma administrativa e extinguiu a Casa Civil.

Inicialmente, a Polícia Civil abriu inquérito contra a Braz Peli. Na época, com autorização da Justiça, houve operação contra o empresário e o processo começou a tramitar na 1ª Vara do Tribunal do Júri.

Ao verificar o depoimento do empresário ao Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), o juiz Carlos Alberto Garcete de Almeida, decidiu encaminhar o processo ao STJ porque Reinaldo acabou sendo citado como beneficiário do suposto esquema criminoso e tem direito a foro privilegiado por ser governador do Estado.

O processo tramita em sigilo no STJ. No entanto, ao fazer busca no sistema do órgão com o nome de Reinaldo Azambuja da Silva, aparece a pauta de julgamento da Corte Especial de 17 de outubro deste ano, prevista para as 14h.

A assessoria do Superior Tribunal de Justiça informou que não se manifesta sobre processos que tramitam em segredo de Justiça.

Preso na Operação Vostok, Polaco descartou fazer delação premiada e teria isentado as autoridades de qualquer participação no suposto esquema de cobrança de propina. Segundo o advogado José Roberto Rodrigues da Rosa, o seu cliente também descartava fazer delação premiada.

A proposta de colaboração foi formalizada por Polaco em carta encaminhada em abril deste ano ao Ministério Público. Na oportunidade, ele prometia entregar documentos e bilhetes.

Além do inquérito 1.198, Reinaldo é alvo de outros dois no STJ. O mais antigo é o 1.190, que apura o suposto pagamento de R$ 67,7 milhões em propinas pela JBS, que teria causado prejuízo de R$ 209,7 milhões aos cofres estaduais.

No início deste mês, neste inquérito, o ministro Félix Fischer decretou a prisão temporária de 14 pessoas, entre as quais estavam o filho do governador, Rodrigo Souza e Silva, o conselheiro do Tribunal de Contas, Márcio Monteiro,  e do deputado estadual José Roberto Teixeira, o Zé Teixeira (DEM).

O outro inquérito, de número 1.243, apura o plano para recuperar a propina de R$ 270 mil destinada a Polaco. O aposentado Luiz Carlos Vareiro, que seria “laranja” da Ciacom, também revelou que teria sido contratado para matar o corretor de gado.

Neste último processo, o ministro determinou a transferência das investigações da esfera estadual, onde era conduzido pelo promotor Marcos Alex Vera, para o Ministério Público Federal.