Delcídio quer derrubar PEC dos gastos para investir mais em educação e saúde - Rio Brilhante News - Notícias de Rio Brilhante MS e Região

22º min
32º max

  • Coberturas31


Rio Brilhante - MS, terça-feira, 16 de outubro de 2018

Delcídio quer derrubar PEC dos gastos para investir mais em educação e saúde

Candidato ao Senado foi entrevistado pela TV Morena nesta segunda-feira (1º).

Publicado em: 01/10/2018 às 17h22

G1 MS

O candidato ao Senado por Mato Grosso do Sul, Delcidio Amaral (PTC), afirmou durante entrevista ao Bom Dia MS desta segunda-feira (1º) que, se eleito, vai propor a derrubada da PEC [Proposta de Emenda Constitucional] que estabeleceu um teto para os gastos públicos do governo federal, de modo a assegurar mais investimentos para a educação e a saúde. Delcídio ainda negou que retomar a vida pública no mesmo partido do ex-presidente Fernando Collor de Melo, que é réu em ações resultantes da operação Lava Jato, possa prejudicá-lo.

Delcídio participou da última a entrevista feita pela TV Morena, com os cinco candidatos ao Senado mais bem colocados na última pesquisa Ibope. Assista no vídeo acima.

O candidato destacou como uma das suas principais propostas, se eleito, a inserção de programas de tecnologia nas escolas públicas do país e, para isso, disse que pretende propor a derrubada da PEC que limitou os gastos do governo federal.

"A educação, do meu ponto de vista tem de estar agregada a tecnologia. Programas de desenvolvimento tecnológico estão na raiz do crescimento e da prosperidade dos estados e das grandes nações também. Vou dar um exemplo, Coréia do Sul. Porque o país é o que é, por conta da tecnologia. […] A PEC dos gastos simplesmente limitou a educação e a saúde, que são segmentos essenciais que país precisa para se tornar um país cidadão. Então é derrubar essa PEC, porque em educação e saúde, temos que investir maciçamente. [...]O problema é que a saúde e educação estão pagando o pato. A estrutura do governo é inchada. Tem muita gente, gasta muito com pessoal e isso não podemos mais admitir", ressaltou.

Delcidio diz que outra proposta que pretende defender no Senador, caso seja eleito, e de atuar na aprovação de projetos que criam lojas francas em municípios de Mato Grosso do Sul que são gêmeos de cidades fronteiriças de outros países, como Ponta Porã e Corumbá.

"Trabalhei muito, quando fui presidente da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE) nas ZPEs [Zonas de Processamento de Exportação]. Sinto que existe uma espécie de preconceito com isso. Acham que a ZPE é uma distorção. Mas não é. É mais antigo do que andar para frente. A China, por exemplo, tem três mil ZPEs.A ZPE é feita principalmente para exportar produtos. Quer dizer, a precondição é de exportar produtos, porque precisamos ter projeto de desenvolvimento econômico e social para a fronteira, para não termos a insegurança no fim, tendo, por exemplo, o Exército no Rio de Janeiro. O Exército tem de ficar na fronteira. Tem de ter um projeto de desenvolvimento, para que as pessoas fiquem nas fronteiras e tenham perspectiva. Porque aí indiretamente estamos atacando uma preocupação de todos que é a segurança. […] Nas ZPEs são produtos específicos e 95% dessa produção é para a exportação. Então tem espaço para todo mundo e hoje lá no Paraguai [ com turismo de compras] você já impacta vários municípios no entorno", ressalta.

Mesmo partido de Collor

Questionado pelos jornalistas Átilla Eugênio Rocha e Bruna Mendes se não seria contraditório ser candidato a senador pelo PTC, mesmo partido do ex-presidente Fernando Collor de Melo, após ter sido absolvido das acusações que levaram a sua cassação no próprio Senado, em um trabalho de resgate de sua trajetória política, Delcídio disse que não. Collor é réu em processos que resultaram da operação Lava Jato, da Polícia Federal.

"É importante a pergunta. Você já imaginou se a gente falar do PSDB, do PMDB e do PT. Se o PTC tem um, imagine o resto. Tem 15, 20 parlamentares. Eu acho que o que aconteceu, o que a gente tem acompanhado, é um processo importante que o país tá passando. O país tá sendo passado a limpo. Agora existem bons e maus políticos em qualquer partido, em qualquer legenda. Isso é fruto de um novo Brasil que começa a ser construído", explicou.




  • Objetivo32
  • Colégio Objetivo4