Juiz anula prova de digitação do concurso da Polícia Civil em MS - Rio Brilhante News - Notícias de Rio Brilhante MS e Região

22º min
32º max

  • Coberturas31


Rio Brilhante - MS, domingo, 26 de maio de 2019

Juiz anula prova de digitação do concurso da Polícia Civil em MS

Candidatos denunciaram vazamento de texto e juiz decidiu pela anulação

Publicado em: 13/02/2019 às 09h06

Mídia Max

Depois de inúmeras denúncias e reivindicações pedindo a anulação da prova de digitação do Concurso Público para a Polícia Civil, juiz decidiu nesta terça-feira (12) anular a fase. Os candidatos comemoraram o cancelamento da prova, que foi feita em setembro de 2018.

A decisão foi tomada pelo juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande. Nos autos, ele relata que os candidatos deverão ser convocados novamente para que a etapa seja reaplicada.

O juiz ainda destaca na decisão que a prova pode ter tido vazamento de textos que podem ter beneficiado o desempenho de candidatos e que isso consequentemente ajudou o avaliado para que realizasse a etapa de digitação mais tranquilo. “A justiça foi feita”, comentou uma candidata ao Jornal Midiamax.

A Comissão do Concurso Público da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul havia confirmado que candidata levou a folha de texto da prova de digitação e acabou sendo desclassificada do concurso. Após o vazamento, o MP-MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) propôs uma ação civil pública com pedido de urgência. Segundo a instituição, o vazamento do texto, por uma candidata, feriu o princípio de igualdade do concurso.

A prova de digitação corresponde à sexta fase do concurso da Polícia Civil e foi aplicada entre os dias 8 e 9 de setembro. Os candidatos foram divididos em grupos, que se sucediam a cada meia hora, mas o texto era o mesmo para os dois dias de prova.

Nos autos, o Ministério Público considera que o conteúdo do texto para avaliação foi idêntico para todos os grupos de candidatos e defende que o vazamento prejudicou a igualdade entre os concorrentes. “É inegável que o acesso prévio ao texto da avaliação, ainda que parcial, contribuiu para a incrementar o desempenho daqueles que tiveram contato com a folha de prova veiculada na rede social', diz o documento.