Deputado federal de MS apresenta projeto que pede fim do Horário de Verão no país - Rio Brilhante News - Notícias de Rio Brilhante MS e Região

22º min
32º max

  • Coberturas31


Rio Brilhante - MS, segunda-feira, 27 de maio de 2019

Deputado federal de MS apresenta projeto que pede fim do Horário de Verão no país

Médico cita até incidência maior de enfermidades

Publicado em: 07/03/2019 às 08h02

Mídia Max

Por motivos que vão desde aumento da criminalidade até geração de estresse e de doenças como constipação intestinal, o deputado federal Luiz Ovando (PSL) protocolou na Câmara um projeto de lei que pede o fim do Horário Especial de Verão em todo território nacional.

Na justificativa apresentada pelo parlamentar, o horário especial causa ‘inúmeros problemas para a população, sobretudo para os brasileiros mais humildes, que são obrigados a levantar muito cedo, quando ainda está escuro, e caminhar por vias públicas mal iluminadas até um ponto de ônibus, uma estação de trem ou mesmo até o local de trabalho’.

Para o deputado, isso aumento o risco de crimes como assalto e impactam diretamente a capacidade de trabalho do brasileiro.

Outro ponto destacado pelo deputado, que também é médico de formação, é o que ele chama de interferência do horário de verão no ‘ciclo biológico das pessoas’, que, segundo ele, são obrigadas a comprometerem seu sono, acordarem mais cedo e, com isso, terem prejudicadas algumas funções cognitivas.

“Nasce daí a integração e análise dos fatos que determinam a perspicácia e inteligência, que são comprometidos com o déficit de sono. Isso gera estresse com descarga adrenérgica e consequente hipertensão arterial, diabetes mellitus, dislipidemia, constipação intestinal e precipitação de eventos cardiovasculares que ceifam a vida precocemente”, alega Ovando.

O deputado também argumenta que alunos são prejudicados, já que perdem capacidade de concentração no período, e que há estudos que mostram que a economia gerada com horário de verão tem ‘efeito nulo sobre o consumo de energia elétrica’.

O projeto, apresentado na última quarta-feira, 27 de fevereiro, ainda aguarda despacho do presidente da Câmara dos Deputados.